Translate

terça-feira, 29 de março de 2011

O valor da vírgulha ( ,)

Campanha dos 100 anos da ABI (Associação Brasileira de Imprensa) A Vírgula Vírgula pode ser uma pausa... ou não. Não, espere. Não espere... Ela pode sumir com seu dinheiro. 23,4. 2,34. Pode criar heróis.. Isso só, ele resolve. Isso só ele resolve. Ela pode ser a solução. Vamos perder, nada foi resolvido. Vamos perder nada, foi resolvido. A vírgula muda uma opinião. Não queremos saber. Não, queremos saber. A vírgula pode condenar ou salvar. Não tenha clemência! Não, tenha clemência! Uma vírgula muda tudo. ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação. Detalhes Adicionais: SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA. * Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER... * Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM... "SE A CLASSE POLÍTICA E JUDICIÁRIA SOUBESSE A FORÇA QUE TEM O POVO SERIA MAIS PRUDENTE NOS SEUS ATOS. " Os políticos e juízes que conhecemos colocariam a vírgula depois de Tem. Já a população consciente certamente colocaria uma vírgula depois de Povo. E melhor, o povo colocaria um Ponto FInal nesta Roda Viva de desmandos institucionais.
Artigo do site O ECO, Rio de Janeiro, 22/02/2011 Reciclagem ajuda o meio ambiente? Há 13 mil anos, o homem já reciclava artefatos para poder caçar mais. A reciclagem das embalagens do que consumimos apenas produz a ilusão de que ajudamos a natureza. Saiba o por quê
Será que realmente estamos ajudando a natureza fazendo a reciclagem? No exemplo acima, dá para perceber que não. No entanto, as pessoas acham que fazer reciclagem das embalagens dos produtos que consomem ajuda o meio ambiente. As campanhas na mídia influenciadas pelo comércio altamente lucrativo de basicamente dois tipos de embalagens de bebidas, latinhas de alumínio e garrafas PET contribuíram para iludir as pessoas e aliviar a consciência delas quando doam para o diretor da escola ou para os catadores aquelas sacadas de latas de cerveja consumidas nos finais de semana. Tem até escola pública que troca por nota estas latinhas de cerveja. Quanto maior a quantidade de latas, maior a satisfação das pessoas. Matérias e artigos sobre a tal reciclagem de latinhas de alumínio inundam os espaços em revistas e jornais reservados ao meio ambiente. Mas todos omitem o lado sujo envolvendo a reciclagem de latinhas de alumínio, como por exemplo, os gases liberados e os resíduos altamente tóxicos (cancerígenos) da queima da tinta das latinhas no processo de fundição. Quando analisamos com uma visão mais ampla todo o processo percebemos que esta reciclagem de latinhas de cerveja não é diferente da reciclagem das ponteiras de pedra das flechas para poder matar mais bichos. Reciclagem de ponteiras de pedra da cultura Clóvis para obtenção de um artefato com outra finalidade, no caso um perfurador ou raspador. Foto e informações da página do museu da Western Artifacts – Clovis Points A prova de que isto é a pura verdade está nos dados dos próprios fabricantes de cerveja. O consumo de cerveja tem aumentado significativamente nos últimos anos e não para de crescer, fazendo com que a produção nacional das embalagens de latinhas de alumínio não atenda mais a demanda, o que obriga o setor a importar as latinhas vazias, em quantidades cada vez maiores (não é por falta do metal alumínio, mas a capacidade de produção). A mineração de alumínio, bem como o consumo de energia elétrica nunca diminuiu, aumenta sempre, sem parar. Quando entregamos estas latinhas para serem recicladas, a conclusão que se chega é que só estamos ajudando as cervejarias a vender mais cerveja. A natureza – e a humanidade - sofreriam menos impacto se as latinhas fossem prensadas e armazenadas para sempre em algum lugar especial, já que espaço para guardar lixo adequadamente não é problema, considerando as extensas áreas que as prefeituras aprovam todos os anos para implantar novos loteamentos, visando atender a demanda sempre crescente de moradias para a população que não para de aumentar. Assim, poderia provocar aumento de preço e reduzir o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, o que de fato contribuiria para ajudar o meio ambiente e a sociedade. Se a humanidade quiser continuar sua trajetória de buscar a felicidade, bebendo cerveja (com moderação) ou de outra forma mais saudável, vai ter que mudar de caminho. Os povos da tradição Umbu já nos provaram de forma trágica isso há 12 mil anos na Mata Atlântica. Viver de forma sustentável não é reciclar (afiar) as ponteiras de flechas para matarmos mais bichos, ou melhor, saquearmos a natureza para atender a demanda de consumo de uma população humana que aumenta cada vez mais. Referências sobre as ponteiras de flecha encontradas em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo Fúlvio Vinícius Arnt, Marcus Vinícius Beber e Pedro Ignácio Schmitz, Instituto Anchietano de Pesquisas –Unisinos (RS). Os assentamentos líticos dos caçadores da Mata Atlântica em Taió, Santa Catarina. Novembro 2006

segunda-feira, 28 de março de 2011

Sem ponto final,

Vou escrever...nem sei o que,mas preciso escrever. Falar das chuvas que já tomei, dos tombos que já levei, das vezes que já errei,das muitas pessoas que já magoei,das que me magoaram,falar de todos que desprezei,dos que me desprezaram,dos poucos momentos de alegrias,dos muitos momentos de tristezas,falar das vezes que eu sorri,das horas que eu chorei, sei lá...preciso escrever,colocar para fora todos os fantasmas,todos os medos. Não posso contar minha vida, não se conta uma vida inteira em poucas palavras,mas algo me sufoca,me angustia,me deprime talvez seja essa minha inquietude,essa ansiedade,essa inconstância,essa minha incoerência, talvez... Ainda sinto o peito arder, os pensamentos ficam confusos,o coração quer que eu conte tudo, a cabeça diz que não posso,emoção e razão.- Quem tem razão?O que está me destruindo é essa solidão-É DE DOER!Se eu pudesse eu iria,se eu tivesse coragem... Acabaram-se as palavras,já não sei o que escrever, de repente minha alma ficou vazia,meus pensamentos se foram,minha mente se fechou, desculpe-me mas vou deixar sem ponto final, LICHAVES
Eu não gosto de político. Não! Não gosto de novelas nem de político. Aí você pergunta – o que tem haver político com novelas? Sei lá... pensando bem,putz, claro que tem tudo haver: São chatos, enrola a gente o tempo todo, não tem criatividade, fazem sempre as mesmas coisas e no final tudo acaba bem! Mas político é uma droga... fala sério e me responda: - para que servem os políticos? Nunca entendi para que sirva os políticos e as tiriricas (Cyperus Rotundus) PQP isso é uma praga, é impossível exterminá-los- os dois ok? Mesmos que inúteis eles estarão sempre presente, não tem jeito. Eu vou em frente... Fazer o que? Está tudo poluído mesmo... Putz
A ÁGUA DO MUNDO de Leo Jaime. Vou correndo, como se isso me fizesse escapar dos pingos da chuva que se inicia. Menos tempo na chuva, pode ser ilusório, mas tenho a impressão de que ficarei menos molhado, de que chegarei menos ensopado. Com o canto do olho observo o senhor que com a mangueira termina de limpar a calçada, mesmo sabendo que a chuva há de modificar todo o cenário nos próximos instantes. Ou vai trazer de volta toda a sujeira que ele está tirando ou vai lavar outra vez o que ele acabou de lavar. A água que cai do céu cai purinha, purinha, é o que penso enquanto corro dela. A água que cai do céu. Lembro-me do livro da Camille Paglia em que ela afirmava, ou pelo menos foi o que me recordo de ter dali subtraído, que o homem havia optado por viver em grupo por temor aos fenômenos naturais: chuvas, clima, terremotos etc. Foi preciso se unir contra as forças da natureza. As forças amorais na natureza. Quando passa um furacão levando tudo, bons ou os maus, estão todos ameaçados. Quando chove muito e tudo começa a inundar, anjos e demônios poderão estar, em breve, igualmente submersos. Quando a água falta, senhores e escravos morrem da mesma sede. Há forças mais poderosas que a maldade humana. Os destinos turísticos são, em sua maioria, lugares interessantes por causa da água. Praias, lagos, rios, cachoeiras: somos naturalmente atraídos pela água. A simples vista para o mar ou rio já torna um ambiente mais interessante. Parece óbvio o que digo mas se levarmos em conta que grande parte do planeta é tomado por água isso passa a ser, sim, digno de nota: vivemos em meio a tanta água e ainda somos tão fascinados por ela! Nosso organismo é também, em sua maior porção, água. Somos água, viemos da água, para a água voltaremos e, enquanto tivermos como aproveitar a vida, queremos fazê-lo perto de alguma fonte de água límpida, na beira de um rio ou mar. Navegando, que seja. Queremos água. Vivemos, porém, sob o alerta de que a água pode acabar. É preciso economizar. Parece absurdo pois a água é absolutamente indestrutível! Se você toca fogo ela vira fumaça e depois volta a ser água, se congela ela derrete e volta a ser água, seja lá o que se faça com ela, a água volta a ser água depois de um tempo, pura e cristalina. E na mesma quantidade! Pois é. Mas pode voltar salgada. Sabe lá o que é morrer de sede em frente ao mar? O prejuízo maior que a água pode sofrer é a poluição. Uma vez poluída a água pode demorar muitos anos para voltar ao seu estado natural, potável, como os pingos da chuva lá do início. Volto ao início e ao senhor que tentava varrer uma folha de árvore, pequenina, da porta de seu prédio, segundos antes da chuva começar. Quantos litros de água pura ele desperdiçava naquela tarefa imbecil? Não seria mais fácil varrer a folhinha ou pegá-la com a mão? Aquela água correria para o bueiro e se juntaria ao esgoto cheio de substâncias químicas e de lá iria parar sabe-se lá onde, mas, poluída, demoraria um tempo enorme para voltar para o reservatório d'água da cidade. Este tempo é que pode ser o suficiente para uma cidade entrar em caos por não ter o que beber. A água não vai "acabar" nunca, mas talvez, um dia, não possamos usufruir dela onde e como gostaríamos. Talvez as grandes desgraças naturais não nos metam tanto medo porque o que nos vai derrotar mesmo sejam as folhinhas nas calçadas. Aguadas de estupidez.

sábado, 26 de março de 2011

EX ESCRAVA

ILUSÕES, VAIDADES, E ESCRAVIDÃO. A cegueira continua, e as mulas, cegamente, vão prestando os seus serviços escravos, mas, é claro! Tudo por amor. A grande massa dos que se dizem sambistas, nunca estiveram na chamada cidade do samba, se tais o fizessem, talvez jamais tornassem os seus pés nas quadras das escolas; pois poderiam a partir daí, terem um momento que fosse de reflexão. É simplesmente impressionante ver a qualidade dos veículos dos carnavalescos nas vagas cativas do estacionamento, e é lamentável ver o final dos desfiles das escolas mais pobres, quando os coitados dos súditos, têm que sair pelas ruas da cidade, como verdadeiros escravos, empurrando gigantescos carros alegóricos; por estas cenas, vemos que a escravidão ainda não acabou, mas pelo menos, estes podem decidir se param ou continuam. Porém, nunca vimos um presidente de escola por a mão em nada, exceto é claro, na grande fortuna doada pelos patrocinadores, mas isto sequer precisa chegar aos ouvidos dos escravos, a final, tudo o que fazem, é por amor. Além dos patrocínios individuais dos carros, ainda tem a grande doação dos governos: Dois milhões de reais por ano, não para todos, é claro, mas como noventa por cento do material é reaproveitado para o próximo ano, a diretoria carnavalesca agradece a contribuição. Enquanto os pobres coitados mulos arrastam suas pesadas fantasias na Sapucaí, as redes de hotéis lhes deixam os sinceros agradecimentos pelo faturamento dos poucos dias que valem ouro. Mas é claro, isto não importa aos escravos, afinal, é tudo por amor, e como pisariam na Sapucaí se não fosse desta forma, não importam quem ganhe pesados lucros sobre suas costas, a final, eles são os astros, o espetáculo, são os gladiadores que alegram a arena... bravo!!! Será que algum destes empregados não remunerados já parou para pensar no porque de as redes de TV quase se matarem pelo direito da cobertura do carnaval? É claro que não, afinal, o que importa, são astros, estarão no meio de uma grande massa, os DVD’s gravados irão para todo o mundo, e eles irão também, o que importa que os empresários da rede televisiva fiquem um pouquinho mais milionários, e que não lhes dêem nenhuma participação em seus lucros, a final são os astros, e o fazem por amor, somente por amor. E assim como no carnaval, tal o é também nos clubes de futebol, onde os torcedores batem no peito e dizem o meu time, o meu clube, e assim a grande massa se reúne nos gigantescos estádios para pagarem os expressivos salários dos jogadores, que por sua vez não têm time nem clube, mas o que pagar mais está muito bom... É isso aí, podem retirar o tronco, podem retirar as algemas e os chicotes, mas enquanto não houver entendimento haverá sempre escravos, e haverá sempre Senhores de Engenho. (O autor não é desconhecido, mas um ex-escravo). --

sexta-feira, 25 de março de 2011

O QUE É SER NORMAL?

Dizem por aí que não sou normal – o que é ser normal?Seguir normas? Quem impôs essas normais?HANNN eu já sabia você não sabe!Nem eu... Vivo o que sou sem me preocupar se estou agradando os outros ou não. não me interessa opiniões alheias,aliás para mim não existem os “outros”, cada um é cada um,não somos robôs,não fomos feitos para pensar ,agir da mesma maneira,não temos os mesmos valores.Ética existe sim. Mas... Valores?Normas?Regras?Ainda bem que veio o velho Raul seixas para dizer: ”Eu não sou louco o mundo é que não entende minha lucidez". LICHAVES
Entendendo nossos Direitos Os direitos humanos são princípios in­ternacionais que servem para proteger, garantir e respeitar o ser humano. Devem assegurar às pessoas o direito de levar uma vida digna. Isto é: com acesso à liberdade, ao trabalho, à terra, à saúde, à moradia, a educação, entre outras coisas. Foi a luta contra a opressão que ajudou o surgimento dos direitos humanos. A luta pela liberdade e pela vida. Liberdade que significa muito mais do que não estar preso. E a libertação de regimes econômicos, sociais e políticos que oprimem e impõem a fome e a miséria. E importante saber que as autoridades públicas são responsáveis pela efetivação dos direitos humanos. Países como o Brasil assi­naram os documentos se comprometendo a respeitar, garantir e proteger esses direi­tos. testa forma, podemos cobrar dos governantes o dever de zelar por uma sociedade justa e sem exploração. O povo tem poder legítimo de exigir do Estado o cumprimento dos direitos humanos. Quais são os direitos humanos? Antes de mais nada, é importante saber que a vida é um direito humano do qual nin­guém pode ser privado. Mas a garantia à saú­de, educação, salário justo e moradia tam­bém.Ninguém vive em condições dignas sem alimentação, vestuário, moradia, traba­lho, previdência, participação política e tudo o mais. Isto quer dizer que os direitos humanos não podem ser divididos, mesmo escritos em separado. Eles dependem uns dos outros. Valem para todas as pessoas do mundo. São universais. Vamos saber quais são esses direitos: Direitos civis - são o direito a igualdade pe­rante a lei; o direito a um julgamento justo; o direito de ir e vir; o direito à liberdade de opinião; entre outros. Direitos políticos - são o direito à liberda­de de reunido; o direito de associação; o direito de votar e de ser votado; o direito de pertencer a um partido político: o direi­to de participar de um movimento social, entre outros. Direitos sociais - são o direito à previdência social; o direito ao atendimento de saúde e tantos outros direitos neste sentido. Direitos culturais – são o direito à educa­ção; o direito de participar da vida cultural; o direito ao progresso científico e tecno­lógico; entre outros. Direitos econ8micos - são o direito à mora­dia; o direito ao trabalho; o direito à terra: o direito às leis trabalhistas e outros. Direitos ambientais - são os direitos de prote­ção, preservação e recuperação do meio ambien­te, utilizando recursos naturais sustentáveis. Mas, afinal, por que esses direitos são cha­mados de fundamentais? São direitos fundamentais porque são os mais importantes. Eles são a base de toda e qualquer sociedade que se pretenda justa e igualitária. http://www.dhnet.org.br/dados/cartilhas/dht/br/rs/terra_trab/dh.html

quinta-feira, 24 de março de 2011

Consórcio PCJ e Petrobrás/Replan concluem primeira etapa de projeto com plantio de 110 mil mudas O Consórcio PCJ e a Petrobrás/Replan concluíram no mês de março a primeira etapa do Projeto de Reflorestamento das Bacias dos rios Camanducaia e Jaguari com plantio de 110 mil mudas. Nesta esta inicial, que aconteceu durante o período chuvoso 2010/2011, Amparo, Limeira, Bragança Paulista, Campinas, Holambra e Pedreira foram beneficiadas pelo projeto. O projeto é realizado pelo Consórcio PCJ através de convênio com a Petrobras/REPLAN e apoio dos Comitês PCJ, através da Câmara Técnica de Recursos Naturais (CT-RN). Segundo o vice-presidente do Programa de Proteção aos Mananciais do Consórcio PCJ e Gerente de Meio Ambiente da Petrobrás/Replan, Mauro José Lauro, os resultados da primeira etapa foram satisfatórios. “É muito bom vermos os resultados. Hoje as árvores são pequenas mudas e nós ficamos ansiosos para vê-las maiores no ano que vem e, com certeza, O Consórcio PCJ dará o apoio na manutenção das mudas e propiciará para que isso aconteça”, diz Lauro. No total, 22 municípios serão atendidos pelo projeto até o final de 2011 e início de 2012, quando ocorre o período chuvoso na região. Mais 90 mil mudas ainda serão plantadas nesta segunda etapa, contabilizando um total de 200 mil mudas. Um dos beneficiados com o projeto, o proprietário rural Arien Van Vliet acredita que o projeto beneficia a população e o meio ambiente como um todo. “A intenção de recuperação da mata ciliar nesta área se deu por conta da importância que ela tem para as águas. Recuperando, estamos contribuindo para o aumentando da disponibilidade de água no futuro. Além disso, é muito satisfatório ver a fauna e a flora renascendo e ganhando vida”, comenta Vliet. Para o engenheiro e consultor técnico da Gerência de Meio Ambiente da Petrobrás/Relan, Jorge Mercanti, “O maior desafio para os próximos trabalhos é a conscientização dos proprietários rurais sobre a importância da recuperação. Agora, o resultado obtido é fruto de muito esforço e dedicação, sobretudo ao poder de articulação do Consórcio PCJ de todo o processo do programa”. Em 19 anos de existência, o Programa de Proteção aos Mananciais (PPM) do Consórcio PCJ plantou cerca de 3,5 milhões de mudas nas bacias PCJ. A entidade enfatiza sempre que mais do que plantar árvores o importante é despertar a consciência de preservação e respeito ao meio ambiente e a importância de recuperar e preservar rios e mananciais. Assessoria de Comunicação - Consórcio PCJ Telefones/Fax: (19) 3475 9408 / 3475 9400 E-mail: imprensa@agua.org.br www.agua.org.br
"A Moral não me ajuda. Sou antagônico nato. Sou uma daquelas pessoas que são feitas para exceções, não para regras." (Oscar Wilde)
No trem da vida a beleza é passageira E o tempo são os trilhos a percorrer. O que está presente Daqui a pouco, Há uma hora Ou mesmo um instante Deixará de ser presente Para ser no passado Contente lembrança. Cada dia que nasce é o futuro Que hoje se torna presente E amanhã será passado. Não deixe um dia passar como um a mais, Viva-o intensamente na possibilidade de fazer a diferença. Sempre vamos, mas nunca voltamos. Pois o tempo passa, não volta, não para. O tempo nos leva de onde chegamos Até aonde vamos, Nos trás de onde partimos. Todo o tempo às pessoas vem e vão, Passam por nossas vidas. Há pessoas que vem para ficar E outras vão para nunca mais voltar. Deixam saudades E vivem lembradas em nossos pensamentos E quem fica, é vivo lembrado no olhar de quem vai. Mas continuam sempre presentes Por suas lembranças; Seu jeito de sorrir, de olhar, De falar, suas manias, Um pouco de si em nós. Pessoas que se tornam marcantes Por serem amadas. Pessoas que são tocadas Pelo vento para morar em outros corações, Para encontrar refúgio em outro lugar E até um dia encontrar Porto seguro nos braços do seu lugar. (Camila Pereira Reis)

terça-feira, 22 de março de 2011

A NACIONALIDADE DE ADÃO E EVA

Um alemão, um francês, um inglês e um brasileiro apreciam o quadro de Adão e Eva no Paraíso. O alemão comenta: - Olhem que perfeição de corpos: Ela, esbelta e espigada; Ele, com este corpo atlético, os músculos perfilados. Devem ser alemães. Imediatamente, o francês contesta : - Não acredito. É evidente o erotismo que se desprende das figuras: Ela, tão feminina, Ele, tão masculino, Sabem que em breve chegará a tentação. Devem ser franceses. Movendo negativamente a cabeça o inglês comenta: - Que nada! Notem a serenidade dos seus rostos, a delicadeza da pose, a sobriedade do gesto. Só podem ser ingleses. Depois de alguns segundos mais, de contemplação silenciosa, o brasileiro declara: - Não concordo. Olhem bem: não têm roupa, não têm sapatos, não têm casa, estão na merda, Só têm uma única maçã para comer. Mas nãoprotestam, só pensam em sexo, e pior, acreditam que estão no Paraíso. Só podem ser brasileiros.
Combate às Perdas hídricas: a solução para ampliar a oferta de água No decorrer da história da humanidade vimos a civilização ser formada e estruturada em regiões com oferta hídrica. Assim foi o caso dos egípcios cuja sociedade foi alicerçada às margens do rio Nilo; base do conhecimento filosófico da sociedade ocidental, a Grécia antiga desenvolveu suas cidades estados em meio a 33 deltas de rios que somam 327.100 hectares; Roma possui no Tibre a alma de sua fundação, relatada na lendária cena da história de Rômulo e Remo. Na nossa região não foi diferente. Os povoados que aqui se instalaram foram se constituindo nas proximidades de rios, córregos e riachos que cortam e formam as bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (bacias PCJ). O crescimento desmesurado, com o boom da migração do campo para a cidade, verificado a partir da segunda metade do século XX, esgotou de forma crítica a disponibilidade hídrica da região. A poluição dos corpos d’água, o desenvolvimento industrial e fabril necessitando de uma maior oferta hídrica, e uma população com conceitos enraizados de água em abundância na natureza, acarretaram sérios problemas de disponibilidade hídrica pelo qual passamos hoje. Em 1989, meros 3% do esgoto jogado nos rios de nossa região eram tratados. Em diversos municípios grande parcela da população não tinha acesso a saneamento básico. Nossos mananciais estavam comprometidos pelo desmatamento das matas ciliares que protegem os leitos dos rios piorando a qualidade da água Em 21 anos de atuação, o Consórcio PCJ implantou uma cultura de gestão dos recursos hídricos que hoje é referência nacional e internacional. Por meio de um eficiente e premiado Programa de Educação Ambiental levamos à população a real situação de nossas bacias, cuja disponibilidade hídrica, na estiagem, é de 408 m3/habitante ano, comparável a dos países do Oriente Médio. Paralelamente à implantação de um sistema de gestão dos recursos hídricos, auxiliamos os municípios com projetos e termos de referência para a implantação de Estações de Tratamento de Água – que atingem mais de 90% da população da região – e de Estações de Tratamento de Esgoto, fazendo o índice de 3% de esgoto tratado saltar para 50% e com perspectiva de chegarmos a 2014 com 100% de esgoto coletado e tratado. Para 2011, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu para debate no Dia Mundial da Água o tema “Água para as Cidades: respondendo ao desafio urbano”. Nós do Consórcio PCJ, ao longo desses anos todos estamos buscando alternativas para o desenvolvimento de nossa região sem comprometer nossos mananciais de abastecimento. O Plano de Bacias, aprovado pelos Comitês PCJ recentemente, desenvolvido e formatado pelo Consórcio PCJ/Agência de Água PCJ, prevê ações de recuperação e preservação de nossos rios levando em conta a disponibilidade hídrica sem comprometer o crescimento econômico. O desafio imposto pela migração das pessoas do campo para a cidade, ocasionando diversas regiões conurbadas, como é o caso na Região Metropolitana de Campinas, é o de prover água para a população e o setor industrial nos próximos anos. A alternativa? Combater às perdas hídricas nos serviços de abastecimento de água. Hoje nas bacias PCJ, 37% da água captada se perde pelo caminho até a estação de tratamento de água e dela para as casas dos consumidores. Esse índice já foi de 50%, mas com as inciativas e ações do Consórcio PCJ, através de encontros promovidos pelo Grupo Regional de Combate às Perdas Hídricas, fornecimento de termos de referências e apoio na captação de recursos financeiros para projetos no setor, alguns municípios conseguiram reduzir esse índice para menos de 20%. Essa é a saída que se desenha hoje para o desenvolvimento de nossa região com oferta de água suficiente para um desenvolvimento sustentável, sem comprometer nossos mananciais e também o crescimento econômico dos nossos municípios. Angelo Perugini Presidente do Consórcio PCJ

quarta-feira, 16 de março de 2011

O QUE É CORRUPÇÃO?

Basicamente poderíamos dividir a corrupção em ativa (para quem dá o suborno) e passiva (para quem recebe o suborno), embora esses termos sejam mais específicos na Lei. Outros: Peculato - Quando o servidor desvia ou se apropria de um bem em razão de seu cargo. Ou seja roubo de dinheiro público. Concussão - Quando o servidor exige vantagem indevida. Exemplo: o policial que pede dinheiro pra não lavrar um flagrante. Também chamada de extorsão. Prevaricação - Quando o servidor público "enrola" ou deixa de cumprir um ato que deveria. Exemplo: não cumprir um alvará judicial no prazo marcado. Inserção de Dados Falsos, Modificação ou Alteração não autorizada em Sistema de Informações com a finalidade de obter vantagem indevida. Esse se relaciona muito à Informática. Facilitação de Contrabando ou Descaminho - Facilitar, com infração de dever funcional, a prática de contrabando ou descaminho. Os exemplos, infelizmente são abundantes nos jornais, e vem de cima, como o lamentável espetáculo que vem nos dando o Sr. Renan Calheiros, presidente do Senado.
Falando sobre os motivos para a corrupção. Dá para citar vários, como ausência de leis que funcionem, burocracia, caos estrutural, etc. A meu ver, o maior motivo é cultural. Todo mundo fica indignado com os Renans, Collors, Dirceus, etc (de todos os partidos, de todas as tendências). Mas na base da pirâmide a corrupção é enraizada. É a cervejinha do guarda pra não levar multa, a furada de fila na base do pistolão/amigão, o aceleramento na burocracia à base de propina (aposentadoria, Detran, etc) e por aí vai. O brasileiro quer mudança mas não quer mudar. Não adianta reclamar do político se vc já fez sujeira no passado. Eu já consegui coisas muito mais rápido pelo simples fato de ter algum amigo trabalhando lá dentro. Eram direitos, só que os processos foram acelerados pelo simples fato de serem "pedidos internos". As pessoas consideram normal, tanto as de dentro quanto as de fora. Quando o policial vai checar seu pneu careca, nem precisa falar nada: já fica subentendido que por uns R$20 ele finge que não viu e lhe libera. Mesmo fora do serviço público, vc vai ao banco e não precisa ser cliente diamante ou constelação: é só conhecer o caixa, ou vc fura a fila, ou vc deixa o negócio lá e passa depois pra pegar. Eu poderia ficar horas dando n exemplos. Que o sistema (administração, legislação, economia, sociedade e tal) não funciona direito, todo mundo aqui deve saber ou suspeitar. Só isto já é prato cheio pra corrupção. Os remendos "por fora" pra se dar bem ou conseguir o que quer - por direito ou não - são mais combustível. Corrupção zero não existe. Se as coisas funcionarem e houver legislação anti-corrupção, esta cai para um nível muito mais baixo. Quando a "pequena" corrupção passa a fazer parte da vida da maioria da população como algo corriqueiro, aí não tem solução simples e/ou rápida. A corrupção no Brasil é endêmica.

domingo, 13 de março de 2011

Tocando em Frente Almir Sater Composição: Almir Sater e Renato Teixeira Ando devagar Porque já tive pressa E levo esse sorriso Porque já chorei demais Hoje me sinto mais forte, Mais feliz, quem sabe Eu só levo a certeza De que muito pouco sei, Ou nada sei Conhecer as manhas E as manhãs O sabor das massas E das maçãs É preciso amor Pra poder pulsar É preciso paz pra poder sorrir É preciso a chuva para florir Sinto que seguir a vida Seja simplesmente Conhecer a marcha E ir tocando em frente Como um velho boiadeiro Levando a boiada Eu vou tocando os dias Pela longa estrada, eu vou Estrada eu sou Conhecer as manhas E as manhãs O sabor das massas E das maçãs É preciso amor Pra poder pulsar É preciso paz pra poder sorrir É preciso a chuva para florir Todo mundo ama um dia, Todo mundo chora Um dia a gente chega E no outro vai embora Cada um de nós compõe a sua historia Cada ser em si Carrega o dom de ser capaz De ser feliz Conhecer as manhas E as manhãs O sabor das massas E das maçãs É preciso amor Pra poder pulsar É preciso paz pra poder sorrir É preciso a chuva para florir Ando devagar Porque já tive pressa E levo esse sorriso Porque já chorei demais Cada um de nós compõe a sua historia Cada ser em si Carrega o dom de ser capaz De ser feliz

Ando Devagar...........ALMIR SATER

quinta-feira, 10 de março de 2011

Olá amigos!! Será que já paramos para pensar que nossa vida pode mudar apenas por um passo? No dia de hoje trago a mensagem apenas um passo para que possamos refletir que um passo pode mudar todo o contexto de um dia, de uma vida. Reflitam!! Não importa há quanto tempo você esteja andando para o Norte - com apenas um passo você é capaz de andar para o Sul. O que é preciso para dar uma volta de 180º na sua vida? Apenas um passo. Você está a apenas um passo de uma dieta mais equilibrada, a um passo de melhorar suas finanças pessoais, a um passo de ser um profissional muito melhor, a um passo de ter um relacionamento mais gratificante. Daqui a um minuto, seus piores problemas podem estar todos atrás de você, ao invés de estarem na sua frente. Com apenas um passo, o melhor dia da sua vida pode ainda estar por vir, e não estar perdido em algum lugar do passado distante. Num instante, todas as energias negativas na sua vida podem ser redirecionadas para alguma coisa positiva. Apenas um passo é necessário para romper essa inércia, e dar à sua vida o rumo que você realmente gostaria que ela tivesse. Queridos amigos!! Muitas vezes reclamamos da monotonia, que nossa vida não muda, que isso, que aquilo, mas nem ao menos tentamos dar um passo para que tudo mude. Quando estiver passando um momento ruim pense em coisas boas, de um passo para que esse momento não seja o lamento maior de seu dia. Que possamos dar ao menos um passo para que tudo melhore!! Um forte abraço! Velho Sábio!!

segunda-feira, 7 de março de 2011

Eu sou mais forte do que eu. Clarice Lispector
Há Momentos Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar esta pessoa de nossos sonhos e abraçá-la. Sonhe com aquilo que você quiser. Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que se quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos. A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam. Para aqueles que buscam e tentam sempre. E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passam por suas vidas. O futuro mais brilhante é baseado num passado intensamente vivido. Você só terá sucesso na vida quando perdoar os erros e as decepções do passado. A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar duram uma eternidade. A vida não é de se brincar porque um belo dia se morre. Clarice Lispector
Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo. Clarice Lispector

domingo, 6 de março de 2011

ISSO É MUITA SABEDORIA

ISSO É MUITA SABEDORIA Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue;outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer. Clarice Lispector

vocêsabeessa

PRECONCEITO

MEUS AMIGOS Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril. Oscar Wilde