Translate

terça-feira, 23 de outubro de 2012

viagem a terra oca

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Mas como eu posso ser feliz num poleiro?
Como eu posso ser feliz sem pular ?
Mas como eu posso ser feliz num viveiro,
Se ninguém pode ser feliz sem voar?

O QUE É CHISTE?


Imagine a seguinte situação: você está conversando com um grupo de amigos sobre um assunto qualquer. Em um dado momento um de seus amigos diz uma frase que, para você, foi engraçada. Mesmo consciente de que a frase não justificava o riso, você é atingido por uma onda cômica. Nesta circunstância você provavelmente fez um chiste.

Quando ouvimos um comentário do qual achamos graça é porque damos a ele um sentido diferente daquele que realmente tem. A este processo psíquico, breve e prazeroso, denominamos chiste.

Originada do alemão Witz, que significa “gracejo”, a palavra chiste é encontrada na obra de Freud, pai da psicanálise, que define o chiste como uma espécie de válvula de escape de nosso inconsciente, que o utiliza para dizer, em tom de brincadeira, aquilo que verdadeiramente pensa.

Freud acreditava que utilizar o humor e a ironia no dia-a-dia deixava o cotidiano mais leve e a realidade mais tolerável. E é isto que o chiste possibilita quando conecta arbitrariamente, através de uma associação verbal, duas idéias contrárias.

Espero que esta pequena e presunçosa explicação tenha ajudado a todos aqueles que me perguntaram o que era chiste.

Batizar como HORA DO CHISTE! o espaço cômico do Dimensão Humana foi uma expressão de minha entupida veia psicológica.
Imagem: Getty Images
Deus
Passei tanto tempo te procurando .
Não sabia onde estavas , olhava
para o infinito,
não te via .

E , pensava comigo mesmo, será
que tu existe?
Não me contentava na busca e
prosseguia.
Tentara te encontrar nas religiões e
nos templos .
Tu também não estavas .
Te busquei através dos sarcedotes e
pastores ,
também não encontrei.
Senti -me só, vazio , desesperado
descri .
E na descrença te ofendi.
E na ofensa tropecei .
E na queda senti -me fraco.
Fraco procurei socorro .
No socorro encontrei amigos.
Nos amigos encontrei carinho.
No carinho eu vi nascer o amor.
Com amor eu vi um mundo novo .
E no mundo novo resolvi
viver .
O que recebi resolvi doar .
Doando alguma coisa muito recebi.
E em recebendo senti -me feliz .
E ao ser feliz encontrei a paz .
E tendo paz foi que enxerguei.
Que dentro de mim é que tu
estavas.
E sem procurar-te
Foi que encontrei.

Chico Xavier

quinta-feira, 18 de outubro de 2012


A CARROÇA VAZIA

Num certo dia, um pai convidou o filho para irem de maratona a Atenas a pé. O filho aceitou com entusiasmo, e disse: que bom! meu querido pai, quem sabe se não vejo os ilustres sábios a discutirem na ágora de Atenas. E foram caminhando. Depois de um certo tempo pararam para descansar debaixo de frondosas árvores à beira de uma riacho. Se fartaram de beber água e descansaram sob as sombras ouvindo as melodias dos pássaros. Nesse instante ,  ouviu-se um barulho. O menino apurou os ouvidos e disse: - esse barulho deve ser de uma carroça.

- Isso mesmo, disse o pai do menino. É uma carroça vazia.

O filho perguntou ao pai:

-Papai, como o senhor pode saber se a carroça está vazia se ainda não a vimos?

Então o pai disse:

-Ora, é muito fácil saber se uma carroça está vazia por causa do barulho. Quanto mais vazia a carroça, maior é o barulho que ela faz.

O menino virou adulto, e quando ele via uma pessoa falando demais, inoportuna, se intrometendo nas conversas dos outros, tinha a impressão de ouvir a voz do pai dizendo:

"Quanto mais vazia a carroça, maior é o barulho."

.

De ESOPO - fabulista grego.

.

Moral da história:

"Quem muito fala, muito erra."

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é...Autenticidade.

Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que

 tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de... Amadurecimento.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é... Respeito.

Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama... Amor-próprio.

Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é... Simplicidade.

Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.
Hoje descobri a... Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!!!
Charles Chaplin

quinta-feira, 11 de outubro de 2012


Ando meio perdida, mas não me procure deixe-me seguir meu caminho em paz quem sabe eu me encontro por aí... quem sabe eu possa me ouvir.
A vida inteira me procurou andei, andei ,andei, mas não sei onde está o meu Eu fugi de mim...
Escondi-me.
Um dia eu vou me encontrar...
Se vai demorar?
Sei lá... não tenho pressa.
Tenho toda a eternidade
Lichaves

José Medrado - Palestra: "Sua vida é seu reflexo" (07.08.2012)


Eu não tenho com quem conversar meus amigos são fúteis falam de coisas fúteis amam coisas fúteis não têm ouvidos para me ouvirem... falo com Deus mas é um monólogo ele não me responde fica em silêncio só ouvindo não sei o que ele responderia para mim; me sinto muito só...já cansei de tudo isso passo todo tempo comigo e as vezes sinto falta de alguém.
Isso as vezes me cansa...
Onde está você agora?

sábado, 6 de outubro de 2012

Não quis te chamar de velha
Minha querida, mil desculpas!

Não precisava ficar brava comigo, eu apenas me expressei mal. Quando disse que você parecia a minha nona, não quis dizer que você está velha, mas apenas lembrei que você é tão meiga e delicada quanto a minha vózinha; isso, aquela que você conhece, a velha Violeta, que mora lá no Sul!
É que você não tem a menor paciência comigo e toma tudo ao pé-da-letra, pôxa vida! Eu só estava querendo ser gentil com você e, portanto, acho uma injustiça você ficar esse tempo todo sem querer falar comigo. Ainda mais que eu sei que você não pára de ouvir aquela música do Djavan na qual ele diz que "Deus criou a via-láctea e os dinossauros pensando em você"... A via-láctea, tudo bem; mas, os dinossauros é demais, não é! Já pensou se eu te digo uma coisa dessas? Era capaz de você dar com o rolo de macarrão no meio dos meus cornos (ôpa, olha só eu me expressando mal de novo, ainda bem que isto é uma carta e dá tempo de explicar que eu não quis te chamar de infiel)! Mas, voltando à história dos dinossauros, se fosse eu, você ficaria fula, mas o Djavan cantando você acha o máximo.
Quer saber mais: outro dia você ficou nervosa só porque eu disse que a sua mãe parece com a Erundina. Vê se pode, ficar brava por causa disso? Eu só queria dizer que a sua mãe é uma pessoa batalhadora e luta pelos seus objetivos. Foi um elogio, mas até você entender, fiquei repetindo explicações feito um papagaio de circo e quase te chamei de burra, de tão teimosa e irredutível que você estava. Puxa, ainda bem que eu não disse que você era burra, não é minha flor*?

Um beijo do
(assinatura)

* já ia me esquecendo: flor quer dizer flor mesmo, tá?
Não quis te chamar de velha
Minha querida, mil desculpas!

Não precisava ficar brava comigo, eu apenas me expressei mal. Quando disse que você parecia a minha nona, não quis dizer que você está velha, mas apenas lembrei que você é tão meiga e delicada quanto a minha vózinha; isso, aquela que você conhece, a velha Violeta, que mora lá no Sul!
É que você não tem a menor paciência comigo e toma tudo ao pé-da-letra, pôxa vida! Eu só estava querendo ser gentil com você e, portanto, acho uma injustiça você ficar esse tempo todo sem querer falar comigo. Ainda mais que eu sei que você não pára de ouvir aquela música do Djavan na qual ele diz que "Deus criou a via-láctea e os dinossauros pensando em você"... A via-láctea, tudo bem; mas, os dinossauros é demais, não é! Já pensou se eu te digo uma coisa dessas? Era capaz de você dar com o rolo de macarrão no meio dos meus cornos (ôpa, olha só eu me expressando mal de novo, ainda bem que isto é uma carta e dá tempo de explicar que eu não quis te chamar de infiel)! Mas, voltando à história dos dinossauros, se fosse eu, você ficaria fula, mas o Djavan cantando você acha o máximo.
Quer saber mais: outro dia você ficou nervosa só porque eu disse que a sua mãe parece com a Erundina. Vê se pode, ficar brava por causa disso? Eu só queria dizer que a sua mãe é uma pessoa batalhadora e luta pelos seus objetivos. Foi um elogio, mas até você entender, fiquei repetindo explicações feito um papagaio de circo e quase te chamei de burra, de tão teimosa e irredutível que você estava. Puxa, ainda bem que eu não disse que você era burra, não é minha flor*?

Um beijo do
(assinatura)

* já ia me esquecendo: flor quer dizer flor mesmo, tá?

vocêsabeessa

PRECONCEITO

MEUS AMIGOS Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril. Oscar Wilde