Translate

sábado, 31 de dezembro de 2011

M  U  D  E
(Edson Marques)

" Mude, mas comece devagar,
porque a direção é mais importante
que a velocidade.
Sente-se em outra cadeira,
no outro lado da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.
Quando sair,
procure andar pelo outro lado da rua.
Depois, mude de caminho,
ande por outras ruas,
calmamente,
observando com atenção
os lugares por onde
você passa.

Tome outros ônibus.
Mude por uns tempos o estilo das roupas.
Dê os teus sapatos velhos.
Procure andar descalço alguns dias.
Tire uma tarde inteira
para passear livremente na praia,
ou no parque,
e ouvir o canto dos passarinhos.
Veja o mundo de outras perspectivas.
Abra e feche as gavetas
e portas com a mão esquerda.
Durma no outro lado da cama...
depois, procure dormir em outras camas.

Assista a outros programas de tv,
compre outros jornais...
leia outros livros,
Viva outros romances.
Não faça do hábito um estilo de vida.
Ame a novidade.
Durma mais tarde.
Durma mais cedo.
Aprenda uma palavra nova por dia
numa outra língua.
Corrija a postura.
Coma um pouco menos,
escolha comidas diferentes,
novos temperos, novas cores,
novas delícias.

Tente o novo todo dia.
o novo lado,
o novo método,
o novo sabor,
o novo jeito,
o novo prazer,
o novo amor.
a nova vida.

Tente.
Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.
Almoce em outros locais,
vá a outros restaurantes,
tome outro tipo de bebida
compre pão em outra padaria.
Almoce mais cedo,
jante mais tarde ou vice-versa.

Escolha outro mercado...
outra marca de sabonete,
outro creme dental...
tome banho em novos horários.
Use canetas de outras cores.
Vá passear em outros lugares.
Ame muito,
cada vez mais,
de modos diferentes.
Troque de bolsa,
de carteira,
de malas,
troque de carro,
compre novos óculos,
escreva outras poesias.

Jogue os velhos relógios,
quebre delicadamente
esses horrorosos despertadores.
Vá a outros cinemas,
outros cabeleireiros,
outros teatros,
visite novos museus.
Se você não encontrar razões para ser livre,
invente-as.
Seja criativo.
E aproveite para fazer uma viagem
despretensiosa,
longa, se possível sem destino.

Experimente coisas novas.
Troque novamente.
Mude, de novo.
Experimente outra vez.
Você certamente conhecerá coisas melhores
e coisas piores do que as já conhecidas,
mas não é isso o que importa.
O mais importante é a mudança,
o movimento,
o dinamismo,
a energia.
Só o que está morto não muda !

Repito por pura alegria de viver:
a salvação é pelo risco, sem o qual a vida não
vale a pena!!!!
A ALMA DO MUNDO
(Chico Xavier)
Quando você conseguir superar graves problemas de relacionamentos, não se detenha na lembrança dos momentos difíceis, mas na alegria de haver atravessado mais essa
prova em sua vida.

Quando sair de um longo tratamento de saúde, não pense no sofrimento que foi necessário enfrentar, mas na benção de Deus que
permitiu a cura.

Leve na sua memória, para o resto da vida, as coisas boas que surgiram nas dificuldades.
Elas serão uma prova de sua capacidade, e lhe darão confiança diante de qualquer obstáculo.

Uns queriam um emprego melhor;
outros, só um emprego.
Uns queriam uma refeição mais farta;
outros, só uma refeição.
Uns queriam uma vida mais amena;
outros, apenas viver.
Uns queriam pais mais esclarecidos;
outros, ter pais.

Uns queriam ter olhos claros; outros, enxergar.
Uns queriam ter voz bonita; outros, falar.
Uns queriam silêncio; outros, ouvir.
Uns queriam sapato novo; outros, ter pés.

Uns queriam um carro; outros, andar.
Uns queriam o supérfluo;
outros, apenas o necessário.
Há dois tipos de sabedoria:
a inferior e a superior.

A sabedoria inferior é dada pelo quanto uma pessoa sabe e a superior é dada pelo quanto ela tem consciência de que não sabe.
Tenha a sabedoria superior. Seja um eterno aprendiz na escola da vida.

A sabedoria superior tolera, a inferior julga;
a superior alivia, a inferior culpa;
a superior perdoa, a inferior condena.
Tem coisas que o coração só fala para quem sabe escutar!

sábado, 24 de dezembro de 2011

ANALÂNDIA


ANALÂNDIA








ANALÂNDIA

****************************************************

Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes… tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:
- E daí? Eu adoro voar!
Não me dêem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre. Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração. Não me façam ser quem não sou. Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente. Não sei amar pela metade. Não sei viver de mentira. Não sei voar de pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre..."

*Clarice Lispector*

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011



Usamos o cérebro para desempenhar todas as atividades e quase não percebemos que para fazer uma conta no supermercado, ele é tão importante e necessário quanto para fazer uma caminhada. Seu poder não é visível à primeira vista, porque quando você está pensando, uma rede elétrica trafega dentro de seu cérebro numa velocidade surpreendente, formando conexões entre as células nervosas, resultando numa rede complexa e sofisticada.

Através de nossos sentidos são enviadas mensagens ao cérebro para serem decodificadas e interpretadas. No cérebro tais mensagens são transformadas em conhecimentos. É no cérebro que mora a palavra, tudo que aprendemos e vivenciamos fica bem guardado nele. Ele é o berço da ideia, a casa da consciência. É ele quem comanda os movimentos voluntários e involuntários, a coordenação psicomotora, a atenção, a concentração e percepção, além de permitir a prática de esportes, a ter ritmo e aprender a dançar. É o órgão mais complexo do corpo humano capaz de nos dar a inteligência e presença de espírito.

Cérebro e plasticidade

Com o avanço da idade, precisamos também conhecer quais mudanças ocorrem no cérebro e como ocorrem essas modificações que determinam o funcionamento da mente humana e os fatores que a influenciam. Entretanto, é da natureza do cérebro possuir alta plasticidade, ou seja, ele é capaz de se modificar conforme a sua interação com o ambiente.

A plasticidade trata-se de um conjunto de processos fisiológicos, nos níveis celulares e moleculares, que explicam a capacidade dos neurônios mudar suas respostas em função de determinado estímulo. Quanto mais o nosso organismo interage com o ambiente e se insere num contexto socializador, mais esse organismo se modifica. Tudo depende da relação dos aspectos biológicos com o ambiente para se desenvolver e se aprimorar. Nem a natureza é natural. Mente causa cérebro e cérebro causa mente. Mente e cérebro são duas faces da mesma moeda.
Os neurônios, que são responsáveis pelo envio e recebimento de sinais nervosos, são verdadeiros bits de informação capazes de codificar tudo o que sentimos e pensamos. Tem a função de combinar informações genéticas, moleculares e bioquímicas com informações que recebemos do mundo.

Como as células nervosas se comunicam
Nosso cérebro é dividido por lobos cerebrais: frontal, parietal, occipital, temporal. Os lobos cerebrais são as regiões responsáveis por cada área ou funções específicas da mente humana. Nos lobos existem mais de um bilhão de células nervosas, os neurônios, que são responsáveis pelo envio e recebimento de impulsos e sinais nervosos. Existe uma eficiente comunicação entre os lobos. Nenhuma área do cérebro funciona independente da outra. Cada neurônio comunica-se com outros neurônios por meio de estruturas especializadas chamadas sinapses, que são espaços que contém diferentes substâncias químicas cerebrais, chamadas neurotransmissores. A ação conjunta dos neurônios forma as redes neurais ou circuitos, criando cada vez mais novas conexões ao exercitá-lo. Essa é a verdadeira comunicação que o cérebro exerce.

No nascimento, os neurônios já estão formados, mas as sinapses se formam com a experiência. É o processamento das informações. Por isso, que dominar o cérebro é dominar o conhecimento.

O cérebro não está envolvido somente com funções de mobilidade e sensitivas, ele também possui áreas de associação importantes. Todo o circuito cerebral das funções intelectuais se relaciona com diferentes regiões do cérebro de um mesmo hemisfério cerebral ou dos dois em conjunto, permitindo que tais funções constituam sistemas funcionais complexos que possam apresentar grande poder de rearranjo funcional ou plasticidade cerebral. As funções mentais são um produto de uma longa evolução biológica e social. A capacidade de captar, reagir, operar estímulos recebidos do mundo externo, é uma diferenciação do organismo do homem, com grande capacidade de adaptação, o que assegura sua sobrevivência.
Ação do tempo no sistema nervoso

O sistema nervoso também sofre com a ação do tempo e o cérebro após atingir sua maturidade também envelhece e surgem algumas mudanças anatômicas e fisiológicas nele. Com o fenômeno do envelhecimento, a partir dos 60 anos ocorre diminuição do peso do cérebro na mulher e a partir dos 70 anos nos homens. Com o avançar da idade também ocorre alargamento de espaços e atrofia. Diminuição do “hipocampo”, área importante para a memória e um menor metabolismo cerebral. Perdas de neurônios e como consequência redução de 50% das sinapses a partir dos 80 anos. Fatores que são importantes fatores de risco para quadros de doenças neurodegenerativas como a demência.

Estudos científicos mostram como ainda é um mistério o cérebro humano, quando se trata de estudar suas capacidades, sobretudo o comportamento humano. Cada um dos neurônios tem um papel muito específico. A atividade de um deles influencia a atividade de milhares de outras células. Dessa forma, torna-se evidente que os caminhos dos impulsos nervosos tomam circuitos diferentes em diferentes momentos, e que podem variar em diferentes regiões do cérebro, seja para uma atividade sensorial ou motora. Daí que surge a grande variabilidade do comportamento humano.

Antigamente, a plasticidade era considerada em função da idade, estando diminuída no sistema nervoso do adulto. Hoje já é cada vez mais possível acreditar que o sistema nervoso do adulto é sim capaz de modificações e adaptações. Essas modificações desempenham função importantíssima no aprimoramento da memória, na reabilitação para recuperação de funções perdidas em casos de lesões, e para aprendizagem e na adaptação às mudanças ambientais.

Programas de aprimoramento cognitivo e treinamento de memória possibilitam reverter ou compensar falhas de memória. Estudos sobre treinamento da memória comprovam que técnicas ou estratégias de memorização podem aumentar a eficácia da gravação da informação. Mas para obter bons resultados para a neuroplasticidade da memória, é importante utilizar mais de uma técnica durante o treinamento de memória e também estimular outras funções como atenção, concentração, linguagem, cálculo, o raciocínio abstrato, a criatividade, etc...

O funcionamento mental implica nas capacidades de pensar, lembrar, raciocinar, formar estruturas complexas de pensamento, decidir, resolver problemas e, enfim, produzir respostas adaptativas às solicitações do ambiente. Tais capacidades do ser humano são influenciadas por características pessoais e individuais, como idade, educação, interesses, estilo de vida, saúde, atividades que o indivíduo desenvolve, quantidade de estímulo a que é exposto, além de aspectos emocionais e condições sócioculturais.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Quem sou eu? Já me perguntei isso milhões de vezes... E claro tive milhões de resposta diferentes, porque estou sempre em processo de metamofose...
Eu gosto do estranho, do incomum. Gosto daquilo que confunde, que permite diferentes interpretações, que fica nas entrelinhas. (...)
Martha Medeiros

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Maria era culta ou iletrada? Esta é outra questão que não é fácil de ser respondida. Nos dias de hoje dizemos que uma pessoa é culta se ela tem o hábito de ler e estudar, se tem muita informação intelectual. Entretanto, no que diz respeito ao primeiro século de nossa era o julgamento não pode ser feito desta forma. Neste século, o marcado pela vida física de Jesus, grande era o percentual de analfabetismo. Quase não haviam livros para serem lidos, e era caríssima a produção de um, desta forma, não era qualquer pessoa que tinha acesso a livros, sendo assim, poucos sabiam ler, e muito menos ainda os que tinham o hábito de estudar como fazemos hoje. Porém, não podemos dizer por isso que eram mal informados os habitantes da Palestina daquela época. O processo de aprendizado era diferente, o que tínhamos era uma cultura oral; as cartas de Paulo eram lidas na comunidade cristã através de uma leitura coletiva, muitos apenas ouviam o que este valoroso apóstolo escreveu. Tal hábito fazia com que a memória destes que se dedicavam ao estudo das escrituras fosse de grande capacidade, pois era preciso saber os textos de cor já que nem sempre era possível lê-los. Portanto, saber ler não era pré-requisito para se ter cultura. Além disso, em se tratando de uma mulher na palestina no tempo de Jesus, eram bem poucas as chances de que a ela fosse dada a oportunidade de saber ler. Assim, do ponto de vista de percentuais, grande é a chance de Maria não ter sido alfabetizada, o que não estamos querendo dizer com isso, que não tenha sido. Apenas dizemos de probabilidades. O que é certo, e podemos dizer com total segurança, é que a Mãe de Nosso Senhor tinha grande cultura, e muito mais ainda, uma cultura espiritual, uma espiritualidade inteligente. Muitos chegam a dizer que Maria teria sido educada no Templo, que era não só boa leitora, como também, boa redatora. É possível, porém, não certo. Não estamos querendo trabalhar com hipóteses. No tempo de Maria, o judaísmo não era simplesmente uma religião, era uma cultura. Entre os hebreus não se podia escolher a que religião seguir, simplesmente eram judeus. Não havia shoppings, cinemas, teatros, ou outras diversões quaisquer, o que havia era uma sinagoga, e que todos frequentavam, a sinagoga era a vida das pessoas. Nazaré era uma pequena cidade, a sinagoga deveria ser próximo de tudo, e era ali onde eles aprendiam e praticavam seus princípios de moral elevada. Como dissemos Maria era um Espírito elevado e sem comprometimentos no campo expiatório, por isso aprendia fácil, com certeza memorizava bem, e vivenciava o que aprendia, não era culta dentro de nosso padrão atual, era sábia. Por que podemos dizer isso com certeza? O Evangelho nos dá mostra disso a toda hora, e além do mais, Maria foi a educadora do maior Sábio de todos os tempos, e só isso bastaria para dizer que ela foi entre todas a melhor educadora. (continua no próximo estudo...) Autor: Claudio Fajardo de Castro (Juiz de Fora/MG)

domingo, 11 de dezembro de 2011

Estância Climática Analândia

ERRATA:Corrigindo um erro que um leitor do blog me alertou o nome correto é: Estância Climática de Analândia e a foto é do banheiro da praça,tudo muito limpo e todos têm acesso,serve de incentivo para outra cidades né COSMÓPOLIS? Obrigada Vitor Oliveira pela colaboração.Abçs
Analândia onde a natureza faz a diferença
Cada dia um pobre velho entrava na igreja e poucos minutos depois saia. Um dia, o zelador desconfiado lhe perguntou o que fazia, pois na igreja havia muitos objetos de valor. - Venho orar, respondeu o velho. -Mas é estanho como é que você consegue orar em tão pouco tempo, lhe disse o zelador. -Bem – retrucou o velho – é que eu não sei orar essas orações compridas, mas todo o dia ao meio dia eu entro na igreja e só falo: “Oi Jesus, eu sou o Zé, vim te visitar”. Num minuto já estou de saída. É só uma oraçãozinha, mas tenho certeza que ele ouve. Certo dia Zé sofreu um acidente e foi internado num hospital e passou a e passou a ter uma influencia alegre sobre os demais doentes e muitos sorrisos haviam nos lábios dos outros companheiros da enfermaria. Conversando com ele a enfermeira lhe disse: -Zé, os outros gostam muito de você e dizem que você está sempre tão alegre... -É verdade enfermeira, estou sempre alegre, é por causa daquela visita que recebo todo dia, me faz feliz. A enfermeira não entendeu. A cadeira encostada na cama estava sempre vazia, o Zé era um velho solitário, sem ninguém. -Visita? Que visita? A que horas? -Todos os dias, - respondeu o Zé com um brilho nos olhos – todo dia ao meio dia ele vem, fica ao pé da cama, quando olho para ele, ele sorrir e me diz: “Oi Zé, eu sou Jesus, eu vim te visitar!”.
Escrito por Victor Rebelo - (RCE - Setembro de 2011) A doutrina espírita surgiu com base nas pesquisas e experimentações – apesar de não serem reconhecidas pela Ciência – de Allan Kardec, o codificador. Muitas informações que ela nos traz não são novas. Vários povos, nos mais distantes pontos do planeta e em diversas épocas, já eram possuidores de certas revelações trazidas pelos espíritos, pois a mediunidade não é exclusividade do Espiritismo. Por isso, a Revista Cristã de Espiritismo, apesar de ter como ponto de partida a codificação, também procura apresentar outros conceitos espiritualistas, a fim de que o leitor possa aprofundar seus conhecimentos gerais na área da espiritualidade. No Oriente, sempre se buscou o contato interior com a espiritualidade, mas a mentalidade materialista do Ocidente, aguçada pelos avanços científicos do Século XIX, não aceitava nenhuma religião que não passasse pelo mesmo processo de investigação empírica da Ciência. Por isso, foi instaurado, na América e Europa, partindo do mundo espiritual, o movimento espírita, com o objetivo de, à princípio, provar cientificamente, pelos fatos que se apresentavam, a existência do mundo espiritual e dos espíritos. Uma vez demonstrada sua realidade, viria o objetivo mais nobre desta doutrina: consolar a alma humana! William Crookes, Ernesto Bozzano, Léon Denis, Kardec – além de outros grandes pesquisadores – analisaram as comunicações com os espíritos, atestando sua veracidade. Hoje, raros espíritas realizam pesquisas; alguns, através da Transcomunicação Instrumental, vêm obtendo bons resultados. Assim também é com as práticas e técnicas de projeção astral. Para os “kardecistas” – ou seja, dogmáticos – já demonstramos que Kardec jamais condenou sua prática (veja no capítulo sobre Emancipação da Alma, em O Livro dos Espíritos). Muito pelo contrário: colocou a projeção fora do corpo como algo natural, uma capacidade do espírito, independente de religião. Até os animais se projetam! Portanto, seja através de pesquisas ou por meio de técnicas e práticas individuais, precisamos manter um contato mais direto com os espíritos. Ainda que nem todos sejamos médiuns ostensivos, todos sentimos em maior ou menor grau a influência dos espíritos. Práticas de bioenergia, técnicas para desenvolver a clarividência... tudo isso independe da mediunidade em si. Claro que o desenvolvimento da nossa sensibilidade parapsíquica deve ser natural, com muito estudo e acompanhamento, mas, não basta praticarmos um “Espiritismo sem espíritos”. Estudar ou saber de cor os conceitos espíritas é pouco. Transcenda seus limites! Exerça sua mediunidade, procure aprender sobre projeção astral, aprenda técnicas para harmonizar a aura ou desenvolver a clarividência... Os que nunca se aprofundaram vão dizer que é perigoso. Não desista! Ao contrário, procure ler a respeito e busque aprender com quem tem experiência. Cabe a cada um de nós tirarmos grandes lições para o nosso crescimento e servirmos como ferramentas mais úteis ao progresso da humanidade. Paz, Amor e Harmonia!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Não foi assim facinho não! No início, Eva não queria comer a fruta. — Come — disse a serpente astuta! — e serás como os anjos! — Não — respondeu Eva. Virando a cara para o lado! — Terás o conhecimento do Bem e do Mal — insistiu a víbora. — Cruzou os braços, olhou bem na cara da serpente e respondeu firme: Não! — Serás imortal. — Não! Já disse! — Serás como Deus! — Não, e não! Já disse que não! Irritadíssima, quase enfiando a fruta goela abaixo, a serpente já estava desesperada e não sabia mais o que fazer para que aquela mulher, de princípios tão rígidos e personalidade tão forte comesse a fruta. Até que teve uma idéia, já que nenhum dos argumentos haviam funcionado... Ofereceu novamente a fruta e disse com um sorrisinho maroto: — Come, boba... EMAGRECE! Foi tiro e queda!

vocêsabeessa

PRECONCEITO

MEUS AMIGOS Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril. Oscar Wilde