Translate

domingo, 6 de maio de 2012

MENSAGEM DE TRIGUEIRINHO

PUBLICADA NO JORNAL O TEMPO - BH
EM 06 DE ABRIL DE 2008


O sofrimento que se abate hoje sobre a Terra é incalculável.
Os fatos confirmam que estamos no princípio de um processo que, em curto período, terá seu desenvolvimento e desfecho na 'escola da dor'.

Podemos compreender a necessidade desse aprendizado como recurso último:
sem ele a autodestruição da espécie humana na Terra seria inevitável.
Porém, não podemos deixar de nos perguntar como mitigar tão grande sofrimento, contribuindo para que esse processo inevitável transcorra com a maior harmonia possível.

Para isso,é bom lembrar que, apesar de tamanha carga negativa, maior é a ajuda disponível nos níveis supramentais, onde o caos não existe,e maiores as facilidades para contatá-los.
Nesses níveis, irmãos mais experientes, provindos de outras esferas siderais, velam pela humanidade mas, embora possam ajudar aos que estiverem receptivos, não podem equilibrar as más ações que o homem engendrou.

Eis como podemos contribuir para a harmonia.
E se assumirmos essa tarefa, notaremos transformações imediatas em nossa vida, com benéficas repercussões planetárias.

1. À medida que desenvolver a atenção sobre as próprias ações aprender a controlá-las, observará mais defeitos e falhas em sua pessoa.
Se cometer algum deslize, prontifique-se a não repeti-lo e a manifestar o oposto.
Depois, siga adiante com decisão.

2. Não alimente culpa e ressentimento em si mesmo nem nos demais.
Não há culpados, mas aprendizes.
Dispomo-nos a aprender quando nos abrimos à transformação.

3. Não tente justificar-se, nem perante si mesmo nem perante aos demais.
Aprenda com o erro e com o acerto e dê o passo seguinte.

4. Coligue-se com os níveis mais internos da sua consciência. Descubra como fazê-lo.
Todos sabem, pois é um conhecimento inerente ao ser.
Lembre-se de algum momento de muita dificuldade, em que, voltado para Deus, ou para um poder superior, você tenha com sinceridade suplicado ajuda.
O 'lugar' em seu interior ao qual se dirigiu é para onde você deve volver a todo instante em busca de união com a divindade.
Essa ação silenciosa é profundamente eficaz e transformadora.

5. Permita que a compaixão aflore em seu ser. Isso nada tem a ver com envolvimentos ou demonstrações emocionais.
A compaixão é a compreensão da real necessidade de outrem, a união com a essência dos seres.

6. Faça de sua vida externa um reflexo, o mais fiel possível, das suas mais altas aspirações.
Ações abnegadas repercutem de maneira benéfica e indescritível em toda a aura do planeta e evocam os elementos positivos, latentes e manifestos, dos reinos da natureza. Pratique-as, e pouco a pouco você conhecerá uma alegria transcendente.

7. Nada tema, não vacile. Conte com a inspiração do seu eu superior interno.

8. Eleve ao eu superior por inteiro o amor e o afeto de que você é capaz.
Invoque a graça, que lhe vem por intermédio do espírito imortal.

9. Repudie com firmeza todo e qualquer pensamento ou imaginação que o desvie da meta eleita.

10. Não alimente o que deve morrer.
Não semeie o que não deve nascer.
Sua fortaleza será tanto maior quanto mais você se pautar por essa lei.

11. Tenha presente que outros seres o esperam avançar para poderem avançar também.

12. Lembre-se de que o mais importante é sua inteira e cristalina adesão à verdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

vocêsabeessa

PRECONCEITO

MEUS AMIGOS Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril. Oscar Wilde