Translate

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Eu tenho esse blog para colocar tudo q eu gosto,pesamentos,frases,textos,aqui está meu EU e não estou interessada no  que as pessoas pensam ou falam do blog, nem quero competir com ninguém,são minhas ideias,meu modo de ser se não gostarem não leiam... é meu espaço particular que divido com alguns amigos, se as pessoas concordam ou não isso não me importa não vivo da opinião de outra pessoas, meu mundo,meus pensamentos,meus sonhos são meus...e eu não vou mudar porque alguém pensa diferente,aliás que bom que pensamos diferente.-Já pensou se todas as pessoas pensassem iguais?  Seria chato né?
bjusssss
Lina

2 comentários:

  1. ha esse blog é seu então envia ele no seu cu

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkk então não entre nele pra ler

    ResponderExcluir

vocêsabeessa

PRECONCEITO

MEUS AMIGOS Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril. Oscar Wilde