Translate

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Será ?
Eu quero falar um pouco de mim, coisas que a gente vai passando pela vida a fora às vezes engraçadas, às vezes não tem tanta graça assim.
Cada um de nós temos muitas histórias vividas, que algumas vezes colocamos vírgulas em outras um ponto final.
Quando colocamos vírgulas é um sinal que a história ainda não acabou, qualquer dia qualquer hora irá retornar. Ou não. Sei lá...mas ficará uma história sem final, inacabada.
Eu tenho histórias assim. Inacabadas. Talvez um dia eu possa colocar um ponto final claro se der tempo, pelo menos não me fazem sofrer não parei minha vida por causa delas.
Mas o que eu mais sofro são as histórias que tive que colocar um ponto final.
Essas me maltratam, me deprime, me deixa triste porque sei que nunca mais vão voltar.
Tive que re-começar.Como é difícil re-começar.
Começar de novo, começar do zero, sem expectativas, sem rumo sem saber por onde começar.
Começar como?
O cachorrinho amigo, companheiro morreu.
Nunca mais vou sentir seu focinho afagando meu rosto, nem seus pezinhos raspando na minha cama me acordando de manhã.
Os filhos casaram e se foram, foram começar suas histórias
O marido que eu tanto amava, meu grande amigo, meu cumplice, meu, meu... sei lá
Também se foi. Fez sua grande viagem sem se despedir de mim, sem dizer pelo menos um Adeus, me deixou só (infarto fulminante do miocárdio)
- E agora? - O que eu faço???
Por onde re-começar?
Será que dá para apagar todo o passado assim como a gente faz com uma frase escrita a lápis numa folha branca de papel? E escrever nessa folha uma nova história?
Será que é possível?
Será??????????
LICHAVES


Nenhum comentário:

Postar um comentário

vocêsabeessa

PRECONCEITO

MEUS AMIGOS Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante. A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos. Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo. Deles não quero resposta, quero meu avesso. Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim. Para isso, só sendo louco. Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças. Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta. Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria. Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto. Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade. Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos. Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça. Não quero amigos adultos nem chatos. Quero-os metade infância e outra metade velhice! Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa. Tenho amigos para saber quem eu sou. Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril. Oscar Wilde